Izídio Izídio

Imprensa

07-Fev-2018 14:31 - Atualizado em 07/02/2018 17:29
FIM DA APOSENTADORIA

O discurso e a realidade da previdência de Temer - Por Izídio

,
charge
O deputado federal Vitor Lippi mais uma vez se posicionou contra os direitos dos trabalhadores rurais e urbanos do país e da região de Sorocaba. Não contente com sua atuação contumaz na aprovação da reforma trabalhista, que vem desemprego e transformando o trabalho formal em trabalho intermitente, parcial e precarizado, - deixou claro em entrevistas recentes, que vai votar a favor proposta da previdência pública defendida por Temer

Apenas com palavras de ordem e de cunho ideológico neoliberal, o deputado não apresentou nenhum argumento ou estudo que comprovasse que a deforma da previdência que o seu partido, o PSDB, defende com unhas e dentes, vai beneficiar os mais humildes. Além disso, quer jogar os trabalhadores privados contra os servidores públicos que viraram alvo do governo atual para desviar a atenção das maldades previstas pela reforma golpista.

Em estudo realizado pelo Dieese do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba no final de 2016, foi revelado que dos 199.745 trabalhadores com registro em carteira no município, 167.934 serão afetados pelas propostas de Temer e defendidas pelo PSDB de Lippi.

Os dados demonstraram ainda que em Sorocaba estavam registradas com carteira de trabalho 85.595 mulheres. Desse total, 81,08% se enquadrariam nas mudanças propostas pelo governo federal. No caso dos homens, são 114.150 trabalhadores, sendo que 86,32% terão dificuldades de se aposentar com as regras estabelecidas por Temer.

Das 27 cidades da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), que conta com mais de 540 mil postos de trabalhos formais, 83,39% dos trabalhadores serão atingidos seriamente pelas mudanças nas regras para aposentadoria.

A região de Sorocaba é a que concentra no estado o maior número de agricultores familiares. Segundo a Confederação dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), a proposta de Temer e que vai receber o voto de Lippi vai excluir pelo menos 60% da agricultura familiar dos sistemas de proteção previdenciária.

O que estamos vendo no país é a completa destruição dos direitos dos mais pobres e trabalhadores. Enquanto isso, juízes ganham escandalosos auxílios como de moradia e até de material escolar. Os bancos e ruralistas tiveram suas dívidas de bilhões de reais perdoados por Temer e base aliada. Até quando, a insensibilidade e a conivência dos deputados tucanos vão prevalecer contra a vontade da maioria da população?

Por Izídio de Brito, secretário de Organização do SMetal e ex-vereador
Deixe seu Recado